Anacrônico

Se eu pudesse voltar no tempo…

E ter escolhido outros caminhos, outros atos, outras pessoas…

Eu poderia voltar no tempo em uma semana, teria priorizado coisas diferentes, pessoas diferentes, mudado meu foco.

Talvez conseguisse voltar um mês, o que eu poderia ter mudado? Ter saído mais, abraçado mais, amado mais?

E se eu voltasse três meses? Teria mudado algo? Talvez pudesse realmente ter escrito o que sentia, e não me travar por medo. Ou ter me entregado naquele abraço ou nem ter saído de casa…

Se voltasse seis meses… e aquelas nuvens fofinhas banhassem meus dias de forma diferente? A lua poderia se esconder e eu ainda estaria querendo mudança.

Voltar um ano? Ai me complica, poderia ter feito mais projetos e ter me deliciado com essas experiencias, meus queridos filhos do JF dançando, haha isso eu não trocaria por nada…

Voltar dois anos… é, assim poderia ter mudado algumas coisas e não ter me apaixonado erroneamente…

Voltar três anos… hmm ter escolhido outro curso, ter conhecido outras pessoas, estar envolvida com outras coisas…

Voltar, quem sabe, cinco anos… ah quer saber? Se eu tivesse feito escolhas diferentes teria vivido aventuras diferentes, isso com certeza, mas nada me faria mudar um só instante de o que me fez realmente feliz. Foram precisas algumas incertezas e infelicidade, mas estou aqui, vivendo e sabendo que tudo flui num cosmo superior demais para mortais entenderem… a vida é agora, viva e flua, deixe acontecer… se não, haverá arrependimentos.

Sábado

Meu corpo pedia mais espaço, mais grama regada de sol, mais céu azul com nuvens fofas salpicadas dando folga ao brilho da luz solar que queimava a minha pele. Árvores formando deliciosas sombras no chão, as folhas verdes coçando minhas sapatilhas… e mais possibilidades, mais respiro, mais silêncio, mais melodia, mais vida… lançar o corpo sem medo, quase desprender as pernas e ter os braços dançando nus pelo ar morno.

Saltar, pegar distância e saltar mais alto e mais longe… ai! Como eu precisava disso!

Corpo dói, respiração ofega, mas sair satisfeita compensa tudo.

~À dança, dia 06/10/2012, MON~

Des… apenas isso.

A impaciência me consome, assim como um abutre mordisca e rasga a carne podre de algum animal já morto, ela me torna irrelevante e já sem dor. Precisava escrever, desabafar, sentir… e mostrar para vocês.

Preciso de mais uma tarde ensolarada de um sábado agradável e fluido, falar besteira com amigos, assistir um filme que me arrepie e me faça não pegar no sono por um bom tempo. Quero minhas asas que nunca serão cortadas. Penas leves deveriam me levar pra longe, para um lugar doce e sem partes ruins, ter aquilo que preciso e ser luz e vida para quem me importa…

Sem mais palavras, despeço-me!